Obrigado, O Sul. Copie mais

Enquanto vinha de táxi para o trabalho hoje descobri que o jornal O Sul gostou de um texto meu. Imagino que gostou bastante. Tanto que decidiu roubá-lo.

Jornais costumam reclamar da deslealdade da internet em se apropriar de seu noticiário. Mas os sites de notícias sérios aprenderam a se comportar com lealdade à fonte, no mínimo dando o crédito pela informação. No jornalismo na internet, não importa tanto quem publicou primeiro. É uma forma de honestidade dizer ao leitor qual foi a fonte da notícia. O que torna ainda mais escandaloso o que fez O Sul.

No domingo, escrevi para o Terra uma matéria sobre um jornalista-robô inventado no Japão. Tema interessante, nada demais. O Terra não foi o primeiro a tratar do assunto. Como credita a matéria, o site de tecnologia Singularity Hub descobriu-o primeiro, servindo de fonte primária. Mas não foi a única. O próprio Laboratório de Sistemas Inteligentes e o Twitter serviram de base para o texto, reunindo mais informações sobre como funcionava o robô.

Até aí ok. A notícia não é de ninguém. Mas o texto sim. Por isso é escandaloso que a mesma matéria publicada no domingo à noite esteja praticamente na íntegra na página 6 do caderno reportagem de O Sul nesta quinta-feira.

No Terra:

“No futuro, pode se tornar comum o público acostumado a assistir entrevistas comandadas não por humanos, mas por robôs?

A possibilidade tornou-se um pouco mais real com uma invenção apresentada no Japão. Cientistas do Laboratório de Sistemas Inteligentes (ISI na sigla e inglês) da Universidade de Tóquio criaram o que poderá ser chamado de “jornalista do futuro”: um robô.

Desde 2002 pesquisadores americanos trabalham na criação de um robô capaz de exercer a função de jornalistas em situações de riscos, o front numa guerra, por exemplo. Estes, no entanto, são apenas robôs controlados à distância e dependem de ordens de humanos sobre o que fazer. A novidade apresentada em Tóquio é totalmente autônoma.

O robô-jornalista, afirmam os cientistas, é capaz de explorar o ambiente e relatar o que observou. Ao detectar mudanças à sua volta, decide se são relevantes, e então pode fotografá-las com sua câmera integrada.

Montado sobre a estrutura de um segway – meio de transporte de duas rodas criado na década passada -, o robô também é capaz de fazer entrevistas com pessoas e buscar na internet informações que o ajudem a entender o que se passa. Se algo parecer digno de virar notícia, irá escrever um texto e publicá-lo na web.

Em seu perfil no Twitter, Charlie Catlett, pesquisador dos laboratórios Argonne National, nos Estados Unidos, mostrou-se impressionado com o robô, apresentado no encontro mais recente da Sociedade de Processamento de Informação do Japão. “Por combinar o mundo real e pesquisa na internet, o jornalista robô é um passo adiante com relação a outros sistemas automáticos. Espere algum tempo e robôs como esse poderiam se tornar valiosos para a produção de notícias em toda parte”, escreveu a respeito o site de tecnologia Singularity Hub.

Em novembro passado, um programa criado pelo Intelligent Informations Lab, da Universidade Northwestern, mostrou-se capaz – alimentado com as informações – de escrever um texto sobre beisebol sem interferência humana. O jornalista robô japonês leva as invenções a outro nível. É capaz de coletar sozinho as informações. Por um bom tempo jornalistas humanos certamente terão a preferência do público. Mas não dá para negar: ganharam um concorrente”.

Em O Sul de hoje:

Já pensou em assistir a uma entrevista feita por uma máquina? A possibilidade tornou-se mais real com uma invenção apresentada no Japão. Cientistas do Laboratório de Sistemas Inteligentes (ISI na sigla e inglês) da Universidade de Tóquio criaram o que poderá ser chamado de “jornalista do futuro”: um robô.

Desde 2002 pesquisadores americanos trabalham na criação de um humanoide capaz de exercer a função de jornalistas em situações de riscos, o front numa guerra, por exemplo. Esses, no entanto, são apenas robôs controlados à distância e dependem de ordens de humanos sobre o que fazer. A novidade, porém, é totalmente autônoma.

O robô-jornalista é capaz de explorar o ambiente e relatar o que observou. Ao detectar mudanças, decide se são relevantes, e então pode fotografá-las com sua câmera integrada.

Montado sobre a estrutura de um segway – meio de transporte de duas rodas criado na década passada -, o robô também é capaz de fazer entrevistas com pessoas e buscar na internet informações que o ajudem a entender o que se passa. Se algo parecer digno de virar notícia, escreve o texto e publica na web.

Em seu perfil no Twitter, Charlie Catlett, pesquisador dos laboratórios Argonne National, nos Estados Unidos, mostrou-se impressionado com a criação. “Por combinar o mundo real e pesquisa na internet, o jornalista robô é um passo adiante com relação a outros sistemas automáticos. Espere algum tempo e robôs como esse poderiam se tornar valiosos para a produção de notícias em toda parte”, escreveu.

Em novembro passado, uma máquina do Intelligent Informations Lab, da Universidade Northwestern, mostrou-se capaz – alimentado com as informações – de escrever um texto sobre beisebol sem interferência humana. Mas o jornalista robô japonês leva as invenções a outro nível – à coleta de informações.

As diferenças entre um texto e outro são ridículas. Se trata de uma cópia. Plágio vergonhoso. E pior: uma cópia mal feita. Na real, o assunto não é tão importante que mereça algo além de um registro. Mas não custa dizer o tipo de jornalismo que, ao que parece, é feito por O Sul. É defasado (publicou uma matéria quatro dias depois), incorreto (credita ao pesquisador a declaração de um site) e, fundamentalmente, preguiçoso. No mínimo.

Advertisements

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in Insanidade. Bookmark the permalink.

5 Responses to Obrigado, O Sul. Copie mais

  1. Pô, velho, eu queria saber é se rolou chamada entre as músicas da Continental. Eu não leio o Sul. Prefiro as manchetes na Continental. É demais! Entre um A-Ha e um Peter Frampton: “No futuro, pode se tornar comum o público acostumado a assistir entrevistas comandadas não por humanos, mas por robôs? LEIA AMANHÃ EM O SUL.” O “em o” é fundamental.

  2. Leila says:

    Quem estava lá há alguns anos lembra da briga da redação com o “dono” do jornal. Ele exigia que as matérias de agências fossem assinadas pelos jornalistas de lá. Pior: toda tarde, ele chegava com recortes de jornais nacionais, exigindo q os textos fossem copiados e dada autoria local. Vários jornalistas daquela época ainda guardam os recortes com os bilhetes do “dono”. Assédio moral descarado. E o Sindicato? Nada…

  3. Pingback: Plágio do Jornal O Sul « Os Kibadores

  4. Pingback: PLÁGIO DO JORNAL SUL | Balbúrdia SA

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s