Ninguém abre um livro como Pynchon

Na véspera do Natal de 1955, Benny Profane, usando jeans preto, blusão de camurça, tênis e um chapelão de vaqueiro, passava casualmente por Norfolk, Virgínia. Dado a impulsos sentimentais, pensou em ir lançar uma olhada na Sailor´s Grave, seu velho boteco na East Main Stret. Chegou até lá passando pela Arcade, em cuja extremidade do lado de East Main sentava-se um velho cantor ambulante com um violão e uma lata vazia do lado, onde recolhia as doações. Na rua, um intendente da Marinha tentava urinar dentro de um tanque de gasolina de um Packard 54, cercado por cinco ou seis aprendizes de marinheiro que o encorajavam. O velho cantava com uma bela voz de barítono.

V.

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in literatura. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s