O jogo da amarelinha

Queria saber desenhar.

Sou incapaz de fazer um cachorro pelo menos remotamente parecer com um de sua espécie. A frustração é maior por causa da quantidade de amigos desenhistas ou que desenham e fazem música ou desenham e escrevem. Estão sempre à minha volta exibindo talento.

Enfim, não me atrevi a castigar o mundo com um desenho meu. Mas fiz uma babushka junto com um monte de gente e esta, como as outras – do monte de gente -, está sendo leiloada aqui. O leilão é beneficente e será revertido para a Orquestra  de Flautas de Porto Alegre e para o Projeto Arrastão, de São Paulo.

Como não pinto e não desenho nada, a babushka foi perfurada  de cima a baixo e depois fatiada. Para a idéia dar certo, precisava de um eixo. Numa ferragem, consegui o parafuso certo, mas ainda precisava serrar fora a parte de cima para o eixo funcionar.

Frase a ser escrita um dia  no meu epitáfio:

“Alexandre Rodrigues, numa noite de 2009, comprovou empiricamente ser possível cortar um parafuso ao meio apenas com uma faca cega de cozinha”.

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in Insanidade. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s