Love # 9

Terminou o cigarro em silêncio, nua, imóvel, pensando em alguma maneira de se mandar dali. Estava atrasada. Se chamava Amanda. Miss Samantha era um apelido. Usava-o apenas nas conversas com os outros operadores. Todo mundo tinha o seu. Todos trabalhavam em casa e não gostavam de dizer os nomes verdadeiros. Medo de seqüestro. O apelido de Carlos, dormindo ao seu lado, era Ray Davies. Davies foi o cantor dos Kinks. Ela não sabia disso, ele sim. Ela não sabia do apelido dele, ele não sabia do apelido dela. Nenhum dos dois gostava de comentar o que fazia. Medo de seqüestro.

Ele dormia profundamente ao seu lado. Ela sabia que em breve o telefone começaria a tocar e, sem poder desligá-lo, veria arruinadas as chances de sair dali em silêncio. Precisava ir embora logo.

Quando se conheceram, ela se apresentou com o próprio nome:

– Amanda.

– A-M-A-N-D-A, ele soletrou de um jeito desagradável, tentando impressionar. Quase conseguiu.

Ele sabia sobre Fibonacci. Ela tinha sido advogada antes de abandonar a carreira para, diante do computador, em casa, operar números, gráficos e títulos. Entendia de processos, representações, encargos, recebimentos, a coisa toda do Direito. Ambos achavam que sabiam bastante sobre o mercado financeiro e a bolsa de valores e todas estas outras coisas para viver disso.

Wolfgang Amadeus Mozart, pensando sabe-se lá no quê, certa vez escreveu uma composição chamada chamada “Lamba meu Ânus” e nenhum dos dois sabia disso. Não era uma informação necessária.

O pianista executava, entendiado, uma versão aguada de Chega de Saudade quando Carlos dela se aproximou. Não se conheciam, porém já estava bêbada o suficiente para não resistir à abordagem. Carlos, além do mais, era do tipo engraçado, que algumas mulheres, ela inclusive, consideram irresistível. Ambos sozinhos, sem amigos, entre grupos de estranhos que agora se empolgavam e batiam palmas. As pessoas também costumam gostar desta outra, igualmente insuportável: Andança.

Terminaram a noite no apartamento dele, que fica mais perto do bar. Ele sabia que Paul McCartney, para permanecer incógnito, registrava-se nos hotéis com seu nome dito ao contrário, Ian Iachmoe, mas que importância isso tem na hora do sexo?

Agora, enquanto tomava consciência dos acontecimentos, sentiu, com a boca ressequida, a mesma vergonha e arrependimento das outras vezes. Olhando em volta, rapidamente traçou um pequeno inventário da infelicidade de Carlos Medeiros, 41 anos, levemente acima do peso, que usa cuecas slip, morador solitário de um apartamento alugado na Glória sem estantes e com pilhas de livros abandonadas no chão, com um computador cuja mesa, pela aparência, também é usada nas refeições, e que na única prateleira disponível decidiu pôr apenas bonecos de personagens de filmes e séries de TV, que considera mais adequados à sua personalidade. As pessoas têm essa idéia de que na bolsa todos são bem sucedidos. Nem todos.

Ela sabia que na Ásia Central um buraco queima pela eternidade. Exploradores pensaram se tratar de uma caverna. Para limpar o ar viciado antes da descida, lançaram fogo pela cavidade. Era um depósito gigante de gás. Chamam-no agora de Portão do Inferno. Leu a respeito na internet. Por coincidência, ele também. Se tivessem comentado sobre isso, teriam encontrado um ponto em comum, um vínculo, de modo que, pensando  um no outro mais tarde, um dos dois ou os dois, talvez tivesse comentado “Mas veja só” e seriam no mínimo uma lembrança agradável. Mas não aconteceu e, como se empenhado a provar que certas situações sempre podem ficar piores, Carlos soltou naquele momento um longo e inacreditável flato, fazendo-a arregalar um pouco os olhos.

Deixou o apartamento logo depois com o cuidado de fechar a porta sem fazer barulho. Não dueria  acordá-lo e ser obrigada a uma despedida. Tampouco se importou em deixar anotado em algum lugar o telefone. Sob o sol do lado de fora, hesitou por um momento.  Detestava dias assim. Saiu pela rua em busca de um táxi, mas logo se deparou com o trânsito parado. Um caminhão, parado no meio, interrompia a passagem dos carros. De dentro do baú, dois homens de macacão bege tentavam desajeitadamente carregar um imenso sofá azul de quatro ou cinco lugares para a calçada. Um deles se atrapalhou com a carga e, desajeitado, caiu sentado no chão. O sofá escorregou até a parte da frente, depois caiu de pé na calçada e, finalmente, desabou com um estrondo no chão. Toda a cena foi cômica, mas ninguém riu.

Caminhou mais duas quadras até finalmente encontrar um táxi livre. Deu o endereço e, enquanto se acomodava no banco de trás, suspirou lentamente. Os eventos passados desde que abriu os olhos finalmente começaram a tomar as feições de um sonho.

Ele tinha um pateta predileto. Era Moe. Ela não lembrava mais quem eram os Três Patetas. Se ele soubesse disso, não teria abordado-a, para começar.

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in Conto, Love #. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s