Muito prazer, Franz Kafka

Da moita de arbustos na margem oposta saíram quatro homens nus caminhando com decisão e levando nos ombros uma liteira de madeira. Nela estava sentado, à moda oriental, um homem monstruosamente gordo. Ao passar através da moita por um caminho nunca antes trilhado, ele não procurou afastar os galhos espinhosos, simplesmente deixando que seu corpo imóvel fosse abrindo caminho. Suas pregas de gordura eram tão cuidadosamente disribuídas que, embora cobrissem toda a liteira, chegando mesmo a pender dos lados como a bainha do tapete amarelado, não o incomodavam. A cabeça calva era pequena e tina um brilho amarelo. No rosto, a expressão natural de um homem imerso em pensamentos e que não faz nenhum esforço para esconder esse fato.

Algumas horas atrás, lendo o conto Descrição de uma luta, me deparei com esse trecho, que achei tão absurdo e bem escrito que desde então, repetidamente, volto para lê-lo de novo e isso está me prejudicando, pois parando o tempo todo para ler a mesma coisa, ainda faltam páginas demais para o fim.

E este texto, tão genial e engraçado, é só o primeiro que ele escreveu.

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in literatura. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s