Brodagem

Enquanto assistia Planeta Terror, fui tomado por analogias sobre futebol. No final do filme, cheguei à conclusão de que Robert Rodriguez e Júnior Baiano se deram bem na vida graças à mesma lógica. Não é que Júnior Baiano tenha sido um jogador ruim. Tinha seus bons momentos, geralmente sabia o que fazer com a bola nos pés, era grandão e ameaçador, como deve ser um zagueiro. Só que falhava tanto, cometia tantos erros grosseiros, entregava tantos jogos, que jamais poderia ter passado a vida inteira em times grandes, como passou.

Bussunda tinha uma teoria: era porque Júnior Baiano é gente boa. Divertido, amigão, ajudava a desanuviar o clima nos momentos ruins dos times. Então tinha sempre um bom contrato por ser amigo de todo mundo.

Robert Rodriguez é o Júnior Baiano do cinema. Não é absolutamente medíocre, mas jamais poderia ser um diretor do primeiro time. Simplesmente não tem talento para isso. Não consegue fazer bons filmes. Em Sin City, a exceção, compartilhou a direção com Frank Miller e, além do mais, trata-se da filmagem ipsi literis da história em quadrinhos. Quando deixado só, o resultado não vale a pena. E por que Robert Rodriguez ainda filma? Por que consegue ter Bruce Willis no elenco? Porque tem um amigo mais talentoso que participa de seus filmes, lhe cede roteiros, etc.

Então é isso. Planeta Terror é uma perda de tempo com uma hora e quarenta minutos de duração. É fake. Não se decide entre ser um blockbuster ou um filme trash de 50 milhões de dólares. Mas a culpa não é só do diretor. É principalmente de Tarantino, que o carrega nas costas.

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in Insanidade. Bookmark the permalink.

6 Responses to Brodagem

  1. me diverti MUITO com Planeta Terror. acho que o objetivo era esse: um playground de 50 milhões de dólares para fãs de filmes B.

  2. Rico says:

    Melhor definição do RR so far.

  3. e cara, acho que ninguém – nem eu, que simpatizo muito com esse tipo de filme – considera o Rodriguez um diretor do primeiro time.

  4. alexandre rodrigues says:

    se ele não fosse do primeiro time, cavinato, não teria astros e nem grandes orçamentos.

    no caso de RR, ser do primeiro time é ter um amigo que empenha o próprio nome para que continuem dando dinheiro para que faça filmes ruins um atrás do outro. quando foi deixado sozinho, seu talento só o qualificou até hoje para coisas como pequenos espiões.

    planeta terror é mais um filme que ele estraga, como já tinha feito com um drink no inferno e a balada do pistoleiro.

  5. Emiliano says:

    Robert Rodriguez passou de herói indie a… a… sei lá do que chamar quem faz três Pequenos Espiões, mas foi muito rápido. Foi meio como o Kevin Smith, que ninguém mais leva a sério nem espera nada. Enfim, quando o cara quer ser comercial, que seja desde o início, não fique iludindo os cândidos cinéfilos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s