As espinhas


As pessoas dizem que não se deve fazer isso com as espinhas, mas todo dia eu espremo uma.

Sabe como é? Põe a ponta de um indicador perto da ponta de outro indicador e aperta. O carocinho não agüenta a pressão, sai de dentro uma gosminha com um barulho: FSSSS! Limpo a gosminha e continuo apertando, mesmo quando a pele fica vermelha e sai um pouco de sangue, do jeito que deixa marca, até que no buraco surge a cabeça de um homenzinho.

Espremo mais, agora com cuidado, e o resto começa a aparecer. O homenzinho escapa aos poucos. Livra primeiro os ombros, depois os braços e a cintura. Até os joelhos. Já consegue se mexer. Tem cabelos e olhos e orelhas e boca como de gente grande. Me observa com ar curioso.

Pego-o pelas pernas e arranco de uma vez de dentro da espinha. Sacudo só um pouco para limpar a bostinha branca do corpo e verifico o estado geral. E então, enquanto ele tenta dizer suas primeiras palavras, enfio inteiro na boca.

About Alexandre Rodrigues

Alexandre Rodrigues não acredita no terceiro segredo de Fátima.
This entry was posted in Conto. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s